Rumo ao farol – Virgínia Woolf

ao_farol.jpg

 

“To the light house” traduzido no Brasil como “Rumo ao farol” ou “Ao farol” é um romance da escritora britânica modernista Virgínia Woolf.

O enredo da obra se foca na história da família Ramsay e seus conhecidos, abordando suas relações interpessoais e a forma como essa família lida com mudanças. O Romance é ambientado em uma ilha escocesa (foto abaixo) em uma casa à beira mar na época da primeira guerra mundial.

Resultado de imagem para ilha skye

O livro é dividido em três partes: A janela, onde são apresentados os personagens e também seus anseios, expectativas e características. O tempo passa, que é ambientado na casa dos Ramsays após uma terrível  reviravolta. e O farol que relata momento mais aguardado pela famíila, a visita ao farol.

Os personagens a que somos introduzidos inicialmente são: a Sr Ramsay, mulher de muitas qualidades  que zela pela harmonia do núcleo familiar e pela felicidade do marido e dos filhos; O Sr Ramsay, um intelectual arrogante que possui uma grande necessidade de ser compreendido e de ter seu ego alimentado; Lily Briscoe, uma artista plástica que se propõe a fazer um retrato da família e James Ramsay, um dos filhos da família que sugere o passeio ao farol.

No trecho inicial da obra, A Sr. Ramsay diz que o dia de amanhã será belo e que talvez a família poderá visitar o farol, mas seu marido tem o prazer de estragar suas esperanças, dizendo que certamente choverá. É dessa forma que somos apresentados a trama central do livro que se desenvolve a partir do ponto de vista de todos os personagens, trazendo grandes reviravoltas que deixam o leitor ávido a saber o desenrolar dos acontecimentos.

A escrita de Woolf não dispensa elogios, ela utiliza a técnica conhecida como fluxo de consciência, narrando os fatos de forma a transcrever o processo de pensamento de cada personagem, o que colabora para o desenvolvimento de personagens complexos que são conhecidos aos poucos por meio de suas impressões pessoais.

Um dos personagens mais cativantes da trama é Lily Briscoe, a artista plástica. Por meio dessa personagem, Woolf faz uma critíca a forma como mulheres que se dedicam a trabalhos intelectuais são tratadas pela sociedade, e de como seus trabalhos são considerados inferiores em relação ao dos homens. Essa personagem pode ser considerada como um espelho da própria escritora que enfrentou críticas semelhantes ao publicar suas obras.

“Então, sob a cor havia forma. Podia ver isso com clareza, imperiosamente, quando olhava; quando pegava no pincel é que tudo mudava. Era nesse vôo momentâneo entre a paisagem e sua tela que os demônios a possuíam, levando-a à beira das lágrimas.” p.23 – (excerto do livro pelo ponto de vista de Lily Briscoe)

 

A parte mais intensa de toda a obra é O tempo passa, pois é o momento em que o leitor é surpreendido com as transformações a que a família Ramsay sofreu nos anos da guerra. A escritora faz constantes comparações entre a deterioração do espaço físico ( a casa) com a ruína da família, que foi assolada com perdas e conflitos.

A leitura de Rumo ao farol é fluída, e desperta a sensibilidade do leitor fazendo-o se colocar no lugar de cada personagem e entender os variados pontos de vista. As emoções dos personagens são trazidas a tona de forma autêntica, o que faz com que suas personalidades sejam tangíveis, ou seja, que esses personagens se assemelhem a pessoas reais.

A experiência de ler esse livro foi muito agradável e que recomendo a todos aqueles que desejam conhecer melhor o trabalho da autora.

 

Trechos notáveis:

“Podia ser ela mesma, quando estava só. E era isto que precisava fazer com frequência: pensar. Bem, nem mesmo pensar. Ficar em silêncio; ficar sozinha. E toda a existência, toda a atividade, com tudo que possuem de expansivo, brilhante, vibrante, vocal, se evaporaram. Então podia, com uma certa solenidade, retrair-se em si mesma, no âmago pontiagudo da escuridão, algo invisível para os outros.”

“Qual o significado da vida? Isso foi tudo- uma pergunta simples; que tende a se concluir em anos, porém  a grande revelação nunca tinha chegado. A grande revelação talvez nunca mais virá Em vez disso, havia pequenos milagres diários, iluminações, partidas atingidas inesperadamente no escuro; aqui está uma delas.”

 “Ele sorriu o sorriso mais requintado, velado pela memória, tingido por sonhos.”

 

 

 

 

Anúncios

2 comentários sobre “Rumo ao farol – Virgínia Woolf

  1. Foi só comentar em Escócia que meu coração bateu mais forte, parece ser um livro realmente interessante!
    Te indiquei para uma tag lá no Diver, mas não sei se você gosta de responder tags deste tipo. Se você quiser responder envolvendo outro assunto e não dando uma resposta pessoal, é com você… https://divergenciasvitais.com/2016/12/08/tag-15-fatos-polemicos/
    Quando (e se quiser) responder, me avisa lá… vou adorar ler suas respostas!
    Beijos

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s